sexta-feira, 25 de setembro de 2009

O Vento e o Beija-flor

Sendo ele o vento, estava sempre a brincar por aí.
Passear, subir, descer entrar nos bosques sobrevoar os lagos.
E assim passava os seus dias fazendo o que queria e se divertindo.
Em uma das brincadeiras o vento conheceu o beija-flor.
Encantou-se por ele e passou a brincar com ele, por muitas vezes quase o fazendo cair.
Após algum tempo o vento percebeu que realmente gostava do beija-flor.
E tentou transmitir isso a ele.
Mas o beija-flor não o entendia.
Afinal quem levaria a serio um vento que fica brincando por aí.
Ventos destes tipos beija-flores não costumam confiar.
E por mais que ele tentasse explicar ao vento que, daquela vez, ele não estava brincando.
O beija-flor não confiava, não, bem pior, ele não entendia.
Tentou mudar seu jeito, passou a andar mais devagar e a não balançar mais as folhas das árvores.
Mas adotando ele essa característica o beija-flor não o via.
Era somente mais um ventinho qualquer.
Ou seja, não era mais ele.
Então havia um dilema: ou ele era o vento ou era um ventinho qualquer.
De qualquer modo o beija-flor não o compreendia.
Claro que o beija-flor gostava de brincar com o vento, mas era só isso.
Então percebendo isso o vento desistiu.
Desistiu de sempre tentar mudar e mesmo assim não ser reconhecido.
Hoje em dia ele continua a 'ventar' por aí em busca de quem o entenda.
Postar um comentário