sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A Existência do Vento

Nunca gostei muito do vento.

Motivos?

Nenhum especifico, apenas aquelas desculpinhas bobas, que nós apelidamos de frescuras.

Além de refrescar um dia quente ou anunciar a possível chegada de uma chuva, eu não via sentido em sua existência.
Ok. Eu sei que o vento não precisa parar um pouquinho sua trajetoria e pensar: Ser ou não ser? Eis a questão.

Não sei.

Quer dizer, só sei que eu precisava de um motivo plausível, na minha cabeça, para a existência do vento.
Simplesmente deveria existir um.

Então ontem surgiu uma teoria.

O vento, ao meu ver, é um dos modos que a Terra tem de dizer que está viva. Sabe como se fosse uma de nós que anda no meio da multidão, esbarrando, nos derrubando, completamente viva.

Acho que agora tenho meu motivo suficiente. O vento é um sinal. Um dos meios dela, a Terra, dizer que está viva.

E você... tem algum outro motivo, físico, químico, psíquico ou seja lá qual for, para a existência do vento?
Postar um comentário