Pages

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Mesmo que Seja Estranho, Seja Você.

Hoje em dia vivemos cheios de rótulos.

Somos rotulados por várias coisas... Somos isso porque consumimos aquilo, pertencemos a tal tribo porque fazemos, ou deixamos de fazer, aquele outro.

Ao final das contas somos produtos. Produtos que a sociedade cria, através de sua tendências que são gravadas em nossas cabeças com ou sem a nossa permissão, e como todo bom produto temos muitos rótulos com direito a quantidades de calorias e lipídios.

ok, você não quer ter os rótulos ou os acha fora de moda... e então o que você vai fazer?

Porque de um jeito ou de outro precisamos nos enquadrar em algum grupo, não que por causa disso deixaremos de ser quem nós somos, algumas pessoas chegam a esse limite, mas acho complicado.

Tribos, grupos e etc são simplesmente necessidades.
Necessidade de reconhecimento, de pertencer a algum lugar, de ter esse lugar para qual sempre possa voltar, enfim todo ser humano se encaixa em algum grupo.

Isso não quer dizer que você seja igual a todos eles, você é você e pronto, entenderam certo? E também não quer dizer que você precise se comportar como os outros.

Só porque você tem seus rótulos não quer dizer que você não possa se desfazer deles, ou adquirir alguns novos ou manter os que tem.

Você pode deixar de pertencer a algum lugar ou trocar se tiver a fim, mas mesmo que seja estranho seja você.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Sonho Meu...

Como já havia mencionado nesse post aqui, gosto muito de mitologia, e segundo a mitologia grega Morfeu era o deus do sonho *em alguns lugares definido também como deus do sono*, formava os sonhos que vinham para aqueles que adormeciam e vezes dando avisos sobre eventos futuros.

Umas das definições que achei sobre Morfeu: "Ninguém era mais habilidoso que ele em reproduzir a maneira de andar, uma expressão, o som de uma voz. Além disso, usava as palavras e trajes mais típicos de cada pessoa."

Eu acho que isso se encaixa perfeitamente na descrição de sonho, afinal muitas vezes você não precisa 'ver' para saber que está lá, uma expressão ou até mesmo um som que está presente no seu sonho já basta e quanto as roupas e palavras acho que seria o modo do inconsciente se adaptar as coisas do nosso dia-a-dia tornando muitas vezes um sonho real até de mais.

Eu sou do tipo de pessoa que quase nunca se lembra do que sonhou, porque sonhar sonhamos todas as noites *ou dia, não sei que hora você dorme*, apenas não nos lembramos.
E se quer saber eu acho bom não lembrar, geralmente me incomoda, ainda mais pelo fato de que algumas horas depois de acordar as lembranças do sonho vão ficando cada vez mais e mais vagas, como se você tentasse puxar uma linha, para ver o que tem no final e a linha simplesmente sair voando e sobrando apenas sensações sobre o que poderia ter no final da linha.

Sensações boas, ruins, angustiantes... depende do que você sonhou, você não se lembra o que foi, mas a sensação continua lá por um bom tempo. Como se fosse um aviso sobre alguma coisa ou então sobre algo importante, mesmo que conscientemente você não ache isso.

Acredito que sonhos tenham significados sim, mas não para serem utilizados em jogos de azar e muito menos que estejam escritos nos vários livros de interpretação de sonhos.

Acredito que se cada pessoa pensa diferente e portanto tem visões e metas diferentes, me responda por que a interpretação de sonhos estaria toda explicada em um livro?

Mesmo inconscientemente, através de seus sonhos, você está tentando se alertar de algo, mas cabe somente a você saber o que seria esse algo.

domingo, 23 de agosto de 2009

Perdida é pouco...

O negócio é o seguinte: o que fazer quando nem se sabe qual é a situação e nem onde se encontra?

É minha gente, a situação é essa, estou completamente perdida, não sei por onde começar, ok vocês podem me dizer pra começar pelo começo...

Mas...

Qual é o começo?

Aliás, existe um?

E se o começo não existe como eu começo?

Ué você não está entendendo?

Eu muito menos.

Sim, estou completamente perdidinha.

Por mais que eu pense, avance ou recue, pra mim todos os caminhos levam a somente um lugar, sim esse mesmo, ao nada.

E se querem saber o nada é assustador.

Pois assim, pensem comigo, se é que estão acompanhando isso...

O que é o nada?

Uma das melhores explicações que conheço é de que o nada é o contrário de tudo, mas ficamos no dilema...

O que seria o tudo?

Sim, você tem toda a razão... estou mais perdida do que no começo desse texto...

Mas concluindo...

Por mais que eu pense em tudo isso sempre acabo chegando ao nada.

É acho que no meu caso perdida é pouco...

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Não Delete

Ontem eu voltei às aulas. Foi bom finalmente rever as pessoas, o lugar e até mesmo os professores. Após as novidades e horário meio que apertado de aulas que teremos me lembrei de uma coisa que havia conversado no ônibus com um colega de sala.

Estávamos falando de memórias e ele me disse que seria bom se existisse um chip capaz de deletar certas memórias que ficam em nossas cabeças.
Não vou negar que achei o máximo essa ideia, pelo menos naquele instante.

Sei que foi uma brincadeira porque eu mesma não teria coragem de usar um chip desses, mas por algum motivo pensei nessa conversa boba a noite toda.

Afinal será que seria bom mesmo esquecer as coisas ruins que aconteceram?

Eu acho que não, por mais doloroso que elas ainda pareçam fazem parte da sua vida, são a sua 'bagagem' foi com elas que você adquiriu experiência penso também que foi com elas que você conseguiu se precaver de alguma outra coisa que poderia se repetir, mas você impediu isso afinal, você já viveu isso e se lembra de como foi e de como se sentiu.

Já ouvi falar de pessoas que passaram por algum choque, algo que realmente impactou a sua vida, e simplesmente 'deletaram' lembranças das quais não queriam mais ter, claro que inconscientemente, até acho que pode ser um modo do cérebro se 'defender' de alguma coisa realmente ruim que possa acontecer com essa pessoa, mas não acho que isso resolva, você até pode conseguir apagar lembranças que não quer mais, mas elas aconteceram, você se lembrando ou não.

Portanto não delete suas memórias por mais horríveis que elas possam ser, mas não viva no passado, memórias servem como alicerces para sua vida, mas já passou, com o que você aprendeu e viva o presente.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Uma Cinderella diferente...

Assim como na postagem "Branca de neve diferente do convencional" agora é a vez da Cinderella, espero que gostem!























terça-feira, 11 de agosto de 2009

Medo

Afinal porque temos medo?

Exatamente que tipo de emoção é essa que nos faz perder a coragem?

Já me perguntei tantas vezes isso a mim mesma, mas parece que dou voltas e voltas sem sair do lugar, claro que assim como a maioria dos sentimentos não há como explicar em palavras, mas o 'medo' realmente é uma das mais complexas em minha opinião.

Pessoas podem chegar a fazer (ou deixar de fazer) coisas absurdas quando sentem medo, parece que uma parte racional do nosso cérebro é tomada por ele e então ele nos controla.

Raciocinando friamente é uma besteira temer alguma coisa, sabe não faz sentido, pare por alguns segundos e pense em alguns dos seus medos de antigamente, faz sentido hoje em dia?

Mas por um lado quem disse que alguém consegue ser tão racional assim a ponto de 'apagar' seus medos?

É óbvio que existem verdadeiros heróis, corajosos o suficiente para enfrentarem seus medos, mas nunca poderão dizer que estão livres de todos os seus medos, por menor que seja, ele estará lá e sendo frequente ou não, ele em algum momento te assustará.

Apenas encerrando sem chegar a conclusão alguma (quem sabe um dia eu consigo?) me lembro de uma frase que foi dita pelo ex-presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, sobre o medo é uma das 'teorias' que mais faz sentido pra mim até hoje:

"Acredito firmemente que a única coisa a temer é o próprio medo. ''